quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

LA RE-VUELTA!

Opa, banda nova no pedaço! Maracutaia do Samba, que mistura a batida e pegada do hip hop ao ritmo abençoado por Cartola, Nélson Cavaquinho, Clara Nunes, Bezerra da Silva e tantos outros bambas que eu adoro.

Claro que, pra variar, o pedido foi feito pra ser entregue "dali meia hora", o que é sempre uma grande faca de dois gumes. Por mais que eu tenha certa agilidade, essa pressão do tempo esgotando nunca te deixa dar a devida atenção aos detalhes tão pequenos de nós dois. E sabemos que eles são coisas muito grandes pra esquecer.

Obviamente não fiz em meia hora (exijo 40 minutos, pô!), hehe! Mas facilitou saber que seria um especial tocando apenas o repertório do Marcelo D2. Lembrei a onda mais clean da capa do disco "A procura da batida perfeita" (2003) e pensei em deixar basicamente branco com uns tons pastéis nas gravuras. Porém (TEM SEMPRE UM PORÉM!!!), questões financeiras me impediram a utilização de cores.

Ainda na viagem da capa do disco, quis colocar elementos do samba e do hip hop. Comecei então uma busca por imagens pra, mais tarde, destruí-las no photoshop. Encontrei um pandeiro, uma picape de DJ e o mais legal (quem acompanha o blog sabe que isso me atrai estéticamente...) UM PROJETO DE CAVAQUINHO, mostrando as partes do instrumento. Levei tudo pro photoshop e transformei em desenhos pra estampa bem clarinhos, mas a digramação dos elementos no espaço não me agradava. Então, eureka!, separei o cavaquinho e deixei uma metade pra cada canto do cartaz. Agora eu tinha um fundo.

O resto foi jogar no simples: nome da banda lá em cima, redesenhei a logo do D2 colocando-a gigante ali no meio, e o restante das informações logo abaixo. Tudo num preto 100%, dando bastante contraste pois a arte seria xerocada e nesse caso não é bom inventar muito por causa da qualidade da impressão.

Buenas, a banda gostou bastante do cartaz, o show foi bacana, a garotada agradou e voltou ao bar com um repertório mais diversificado que incluia suas próprias composições (também fiz os cartazes desses shows, em breve eles darão a cara no blog) e logo foram convidados a repetir o especial D2 numa outra casa de shows da cidade. Legal! Só que dessa vez o cartaz NÃO SERIA xerocado. Com a impressão numa qualidade melhor poderíamos bricar com as cores e resolvemos dar umanova chance praquela maltratada primeira arte. Eu sou super contra repetir arte, mas nesse caso até concordei que era justiça divina, hehe!

Utilizei o mesmo fundo com a inclusão de uma textura de tecido e um punhado de efectos especiais do photoshop. Pintei manualmente de qualquer jeito (mas friamente calculado) utilizando um pincel mais roots que o programa oferece. Ainda apaguei as bordas do desenho, como se estivesse rasgado nos cantos. E zéfini! Acho que consegui passar uma impressão de gastura (afinal, a arte estava sendo reaproveitada!).

O que acabou dando mais trabalho nesse novo/velho cartaz foi encaixar a grande quantidade de informações. Resolvi deixar tudo lado a lado com blocos coloridos de amarelo e laranja separando-as. Note que os blocos estão com efeito de transparência.

Dificilmente vou fazer isso de "repetir" arte, mas aqui não resisti. A chance de compensar os maus tratos e injustiças que um "filhinho" recebeu no passado foi mais forte pro papai aqui. Pequei, confesso! Mas esse tem perdão.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

VINDE A MIM...

Aqui uma arte de 1/2 página de jornal que fiz pra Prefeitura Municipal de Parauapebas-PA. O objetivo era aproveitar o dia das crianças pra divulgar as ações realizadas pela atual administração pro público infantil. A redação ficou por conta da Mariana Salles.

Além do texto, a logo da prefeitura seria item obrigatório e o restante seria eu e minha circunstância. O prazo também era curto (apenas um dia pra entregar), então não dava pra ficar me decidindo por qual caminho seguir. Acabei indo por onde não tenho dúvidas: a estrada da simplicidade.

Então desenhei (com aquele meu amado pincel do photoshop que parece giz de cera) meninos e meninas brincando num gramado com um céu azul sem nuvens, aquele típico Sol e o arco-íris mais clichê que poderia existir. Para isso, fiz uso de toda a minha técnica e saiu um retrato igualzinho de quando eu frequentava o jardim da infância (acho q não evoluí muito desde lá...). Sempre achei os meus desenhos um tanto quanto infantis, portanto, nada mais óbvio do que ser eu mesmo nessa missão.

Redesenhei a logo da prefeitura do mesmo jeitinho adoravelmente tosco e fim de papo. Além de sair no jornal, essa arte também teve uma versão pra outdoor. A diferença (além do tamanho, claro!) é que não rolou o texto na versão gigante. Chegamos a pensar em me fotografar ao lado de uma das placas (sim! Eu estive no Pará!), mas pra sorte de suas retinas, esquecemos.