segunda-feira, 27 de julho de 2009

1, 2, 3... BIEN DORMIDO!


Quando o Ed Ben me pediu pra fazer a capa da até então demo de três músicas, a idéia era usar fotos dele e da banda. Segui o projeto, dei meu toque pq borrei as imagens, mas não estava nada feliz. Nada mesmo. Entreguei a arte sem "aquela" satisfação que os outros trabalhos estavam me dando até então.

Satisfação é uma palavra maluca nesse trampo. Eu teria que me preocupar em agradar o cliente. Mas não consigo. A minha necessidade é sentir-me dissecando o artista pra saber quem ele é. Dessa forma eu posso chegar ao que chamo de identidade visual. E quando finalmente me agrado nesse ponto, aí fico satisfeito.



Buenas, uma reviravolta acontece na gravação e o que era pra ser demo torna-se um disco cheio e bem trabalhado. Rolou o pedido de eu preencher a arte com o nome das músicas restantes. Porém (TEM SEMPRE UM PORÉM!!!), assim que ouvi o disco com os arranjos definitivos, já falei que aquela roupa estava apertada demais pro som que se apresentava então. Teríamos um novo projeto gráfico. E, dessa vez, eu não me contentaria em apenas entregar o trampo!

Canções folk com um tratamento cru. Eu gosto disso. Bastante! Me dei a missão de tentar passar isso na arte. Ainda quebrava a cabeça qdo me foi apresentado o nome do disco: "Hypnosis". Legal! Mas o título me fazia mais referência ao psicodelismo e suas viagens multicoloridas. Como fazer um desenho que misturasse as duas ondas?

Peguei uma textura de grafiato e pintei por cima (bem mal pintado com falhas) uma espiral. Descartei o recurso de utilizar cores e coloquei as informações com a mesma (falta de) qualidade. O toque final foi o envelhecimento da imagem no geral. Acabou não tendo nada de psicodélico, só a citação mesmo. Em compensação achei bem crua a arte.

O cliente aprovou. Dessa vez com o acréscimo da minha satisfação pessoal. Fica a promessa q, nesse campo, nunca mais entrego algo que não me faça feliz. Egoísmo? Pode apostar que sim!

Confiram o som do Ed Ben no myspace do cara! O link tá aí do lado na sessão EU OVO, TU OVES!

sábado, 11 de julho de 2009

YO TRUTA!

Uepa! Voltemos a falar de cartazes por aqui, né? É legal diversificar, mas a minha paixonite são eles.

O cliente me deu liberdade pra fazer a arte, mas deixou claro que a impressão seria através de xerox. Isso já corta a tal liberdade pelo simples fato de não poder viajar nas cores. Portanto, já estava certo que, pra prejudicar o mínimo possível, a arte seria p&b.

O número grande de atrações também criava um problema de espaço. Sem falar que seriam estilos variados. Apesar do evento ser da galera do Hip Hop, um grupo de pagode e mais uma discotecagem de funk deveriam ser anunciados.

Solução simples: estilizei uma mesa de DJ e desenhei dois discos de vinil. Ali estariam as 6 atrações responsáveis pelo rap. As de outros estilos, estariam logo abaixo em quadrados brancos contrastando com o resto do espaço.

Sobre o modo de colocar as informações (local, data, horário e valor), estou gostando desse lance de não usar espaço, mas apenas variar o tamanho das fontes. Já estou utilizando o recurso em novos trabalhos.

Simples de tudo. Preto e branco. Muita informação sem poluição. Gostei!

Ah, na sessão EU OVO, TU OVES tem o link pro myspace do IML, ótimo grupo de rap ao qual pertence boa parte do time que soltou o verbo na Rap Fest e que está com um discão na marca do penalti pra ser lançado. Confiram porque realmente vale a pena!

terça-feira, 7 de julho de 2009

ET. HOME. TELEPHONE.

Essa foi a arte de um single do Base 2, apresentando as duas primeiras músicas que estarão no seu primeiro álbum. Embalagem de papelão, então nada muito elaborado pra projeto gráfico como, por exemplo, encarte com as letras das canções. Só a capa e contracapa (ilustração abaixo) mesmo!

A idéia foi bem simples. Queria uma foto de satélite de alguma base militar. Fui na mais lendária de todas: a Área 51, localizada no deserto de Nevada (EUA), é um dos locais de testes áreos mais sigilosos do mundo e onde, supostamente, estão os destroços do disco voador que caiu na década de 1940 em Roswell (Novo México, EUA), assim como os corpos de seus ocupantes.

Com a foto na mão, levei pro photoshop e simplesmente zoei até parecer uma pintura abstrata. Na frente só a logo da banda com uma leve sombra vermelha e atrás o nome das canções, contatos, logo do Playrecpause (estúdio de Londrina-PR onde a bolacha está sendo produzida com todo o amor do mundo) e o carimbo escamoso.

Acima, a arte da capa aberta pra se ter uma noção do quadro geral da arte. Pra ouvir o conteúdo musical do single, é só visitar o myspace do Base 2, que está linkado aqui do lado na sessão EU OVO, TU OVES!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

ENQUANTO ISSO...

Poizé! Convite de festa infantil by el escama. Quem diria, heim? Primeiro a mamãe do João (Mariana) teve que me convencer que eu seria capaz de enfrentar tamanho desafio, depois acabei me divertindo bem mais do que o esperado.

Como o tema da festa seria super-heróis, me escolher até fazia certo sentido pelo meu histórico de nerd devorador de HQs. Como a proposta era das crianças se fantasiarem de heróis na festa, já imaginei uma reunião da Liga da Justiça. Mas com personagens de outras histórias além dos clássicos do desenho.

Dessa vez, tive que deixar de lado a birra que tenho em copiar e colar imagens na minha arte pelo simples fato que eu não desenharia tão legal os personagens e o público-alvo (crianças) não me perdoaria por cometer tamanha heresia. Portanto, o crossover mais bizarro de todo o sempre foi reunido para a missão de salvar o mundo durante a festa do João: Superman, Batman, Sr. Incrível, Goku, Homem de Ferro, Ed 10, Wolverine, Homem Aranha, As Meninas Superpoderosas, Bartman arremessando o escudo do Capitão América e até a USS Interprise dão as caras por ali. Ao fundo, o Palácio da Justiça.

Tava todo empolgado quando me chega a notícia de que o tema não seria mais Super-Heróis, e sim, The Backyardigans. Novamente minha confiança tremeu um pouco na base, dessa vez pelo fato de eu não ser um expert nos personagens. Mas lembrei que o desenho é bem politicamente correto e infantil. então resolvi fazer algo simples e colorido. Ainda achei uma foto muito louca do João no Orkut da mamãe orgulhosa e colei na arte final.

Nessa arte o que deu um pouquinho de trabalho foi escrever "Níver do João" com a fonte da logo do desenho. Não encontrei a dita cuja, então recortei a original reutilizando as letras que repetem e montando outras a partir das originais. A letra "V", por exemplo, é o "A" sem o tracinho do meio e de cabeça pra baixo. Dá-lhe improvisação, hehe!

No fim das contas achei que ambos ficaram decentes. Eu pego trabalhos fora do tema musical pra fazer, claro, mas não os coloco aqui porque acabo não aplicando o meu dedo tosco neles. Esse caso foi bem bacana por me colocar num "ambiente" inédito (nunca tinha feito nada pra criança antes) e porque não fugi da raia, deixando a minha assinatura. Gostei!