quarta-feira, 3 de junho de 2009

QUASE NO PONTO

Aqui uma série de idéias pra um projeto que não rolou de se fazer um especial pra Bjork em Londrina. Eu assisti alguns ensaios da banda e achei muito bom. A ponto de nem esperar pedirem arte e já ir me adiantando na brincadeira. Infelizmente não rolou o show, mas pelo menos mostro o que fiz.

Na época eu estava ainda desenvolvendo o objetivo de um conceito pro meu estilo de arte. Confesso que até hoje não cheguei no objetivo final, mas já ia tentar dar uma amostragem das teorias malucas publicitárias escamosas nesse cartaz.

"Mas afinal de contas? Qualé o teu objetivo, el escama???". Buenas, a idéia é fazer a arte em si chamar a atenção. Não a atração, não o local e tampouco o preço promocional de um ingresso. Chegará o dia em que farei desenhos tão malucos que deixarei essas informações (incluindo o nome da atração) bem pequeninos num cantinho do cartaz.

"Opa! Opa! Opa! Espééééra ae escamoso! Tu não está sendo arrogante demais querendo que tua arte seja maior do que a atração??? ". Hmmm... sim e não. Sim porque realmente acredito nessa teoria. Cartazes internacionais são assim (ou tu acha que não pesquiso?). Dentro da minha tosquice, me aproximo mais do que é feito lá fora do que aqui no Brasil. E não, não é arrogância porque (já falei sobre isso no blog) se a comunicação chama a atenção a ponto do receptor se aproximar dela para ler a mensagem, conseguimos a tal da interação e ela terá executado a sua missão na Terra.

A intenção pra esse cartazes era captar um pouco da maluquice chique da Bjork. Uma mescla de simplicidade, arrojo, agressividade e doçura. Peguei várias fotos da cantora e mandei ver nos efeitos by Photoshop. Todos viraram desenhos, mas acredito que está evidente de quem se trata. Afinal de contas, o objetivo é se comunicar com o público da Bjork, que já conhece bem as esquisitices de sua musa.

As informações deixei bem pequenas e escritas a mão no mouse mesmo. Fazendo contraste com as imagens (ainda pensando na sensação que a música da cantora islandesa passa). Em cada um dos cartazes escrevi o nome da atração de um jeito diferente. O que mais se aproxima com o lance que falei acima é o colorido, onde deixei "Bjork" pequeno juntamente com o restante das informações. Nos outros dois, caminhei mais pro lado que as próprias imagens me pediram. No primeiro (do olho) usei uma fonte que raramente usaria e deixei ela toda bagunçada. Nesse último, logo acima, coloquei uma mais arrojada porque o resultado final me lembrou mangá (quadrinho japonês).

As três propostas de artes ficaram limpas. Em especial as p&b (preto&branco). Imaginei como se estivesse fazendo um cartaz pra Bjork mesmo. Não o do mega show no Brasil, mas o que ela faz numa cidade da Europa no meio da turnê. Sabe que gostei de fazer um trabalho pra um artista internacional, hehe? Talvez eu comece a desenhar uma série de artes fictícias pra postar por aqui. Vou me divertir bastante!

3 comentários:

Anônimo disse...

Confesso que levei um susto quando vi esta última arte. Como assim?- Pensei. É muita ingenuidade mesmo!!! Mas aposto nessa sua proposta. Acho interessante, inteligente e muito promissor. Os quadros mais bonitos que tenho na minha casinha sao cartazes de eventos que achei maneiro e levei pra casa depois da data de apresentacao. Sinto boas vibracoes.
Ve-se que o senhorzinho anda muuiiito ocupado últimamente. hahaah. Mariana.

atelie Bianca Baggio disse...

adorei os cartazesss

talento talento talento.

mas não pode falar muito se não fica metido hehhehe]

beijos

Batone disse...

Muito bom de ver!